segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Taxistas

Hoje vou falar-vos de um tema muito interessante: Os taxistas. Realmente um tema bastante interessante; estou a ser irónico? Talvez sim, talvez não. Enquanto estudante da Universidade de Évora quando vou para o meu lar, em torres novas, apanho sempre um taxi para ir para a rodoviária, já que a minha residência fica um bocado longe da estação, e vice-versa.
Os taxistas têm um trabalho um bocado duro, apesar de estarem sempre a conduzir. Primeiro têm que saber todas as ruas, e todos os locais da cidade em que se encontram. Segundo têm que estar no minimo 8 horas ou mais (dependendo do chefe) por dia sentados num carro. E terçeiro que "aturar" todas as pessoas que se encontram no veículo até ao destino, o que pode demorar muito ou pouco tempo. Complicado não?
Imaginem um taxista em Évora. Évora não é muito grande, e é facil saber aquelas ruas todas. Tem um dia normal, trabalha um nº de horas por dia, e depois vai tranquilamente para casa, pois encontra-se numa terra bonita e sossegada. Pois agora vamos comparar com um taxista de Lisboa. Não tem nada a ver com Évora. É uma cidade muito maior (sem exagerar umas 4x maior), encontra-se pessoas muito mais stressadas, a vida é muito menos tranquila, e a paisagem não é lá muito bonita. Agora ainda vamos fazer uma comparação maior. E Nova Iorque? Já imaginaram as ruas e os locais que aqueles taxistas têm que decorar só para satisfazer a vontade do cliente? Para mim lisboa já é o que é, quanto mais Nova Iorque. Pode parecer um trabalho "secundário" para certas pessoas, mas eu não considero isso. Cada trabalho tem a sua importância. Não interessa onde é, e o que fazem.
Não estou a dizer que vou para taxista, porque não. Não é isso que quero fazer no futuro. O que eu quero fazer ver é que não podemos descriminar os outros trabalhos. Pois se formos ver se os chamados "trabalhos secundários" por certas pessoas deixassem de existir, os outros também deixavam. Por isso estão todos unidos, porque sem um o outro não funciona. Um por todos, todos por um e Todos diferentes todos iguais. As pessoas que são taxistas, pedreiros, empregados de mesa são iguais aos empresários, aos banqueiros, aos juizes. Os trabalhos é que são diferentes. Não estou a falar das pessoas, enquanto "pessoas" mas enquanto humanos. Pensem nisso.

3 comentários:

  1. Vai mas é trabalhar, ó!
    Queres ajudar os taxistas, vai empurrar o táxi para eles não terem a despesa da gasolina.
    Ou então arranja um riquexó, e andas a pau-mandado do zé povinho.

    ResponderEliminar
  2. Que comentário mais estúpido de um tal Xavier, é pena, certamente esse senhor deve-se considerar de uma classe superior, algum génio ou entidade iluminada que no fundo o que aspira na vida é dominar os outros, ter poder e considerar os outros como escória, esquecendo-se que essas pessoas trabalham nas mais diversas profissões e que sem eles muitos Doutos não sobreviveriam.

    ResponderEliminar
  3. esse Xavier e uma besta!
    ó bem sempre vai existir pessoas assim...
    gostei muito e espero que continues assim!
    parabéns pelo maravilhoso blog :)

    ResponderEliminar